Editorial

No dia 1 de Junho de 2017, na comemoração dos 85 anos da fundação da Associação dos Pupilos do Exército, 
recordámos a história e os que em 1932 alimentaram o sonho e tornaram real o que já era mais do que isso!

Lembrando momentos importantes da história da nossa Associação:

Em 11 de Outubro de 1932 foi participado na Secretaria do Governo Civil de Lisboa a constituição, nos termos do artigo 1º da lei de 14 de Fevereiro de 1907, uma associação denominada Grémio dos Pupilos do Exército, com sede provisória na Rua dos Sapateiros, nº 128, 2º andar, em Lisboa, cujos fins são aproximar e reunir os ex-alunos e os alunos dos Pupilos do Exército estabelecendo entre eles a mais estreita solidariedade. Posteriormente, em Julho de 1940, foi averbada, neste documento, a alteração da designação para Associação dos Pupilos do Exército.

Referências e citações escritas:

De um artigo de David Sequerra o relato de como a iniciativa desencadeada por um grupo de antigos alunos deu origem à Associação dos Pupilos do Exército:

“A partir de 1921, 10 anos após a fundação dos Instituto, repetiram-se as tentativas para lançamento do Grémio, umas mais consistentes, outras mais fugazes, sempre com Barroso Júnior na 1ª linha de ação, tais tentativas foram sendo divulgadas em jornais como “O Século” (onde Barroso Júnior tinha bons contactos) e até junto do próprio Instituto. Mas, de facto, quedaram-se sob o epiteto de tentativas, numa longa odisseia”, que veio a concretizar-se na data que hoje aqui assinalamos.

José Barroso Júnior foi sem dúvida o principal mentor da fundação associativa, desde os seus primeiros tempos de aluno, nos anos 10, bem acompanhado por gente boa, de idêntica estirpe “pilónica” como Jaime Mascarenhas, Álvaro Oliveira, Domingos Lampreia e Soares Pinto. As mesmas figuras e não só que estiveram também na génese do lançamento, há 100 anos (1916) do Profissional, “jornal imaginado levado a cabo pelos jovens alunos do novíssimo Instituto dos Pupilos do Exército, “malta brava” dos 14 e 15 anos que começaram em 1912 a honrar o designativo de “pilões” (pupilos – pupilões – pilões)”.

Posteriormente, por estes mesmos pioneiros, começaram a germinar a ideia, a vontade e as ações que estiveram na origem da criação do Boletim da Associação dos Pupilos do Exército com o lançamento do seu primeiro número em 1942. Eles foram tudo, os fundadores da APE, os dinamizadores do Profissional, os criadores do Boletim, os Presidentes da Direção, os Editores do Boletim e principalmente os heróis que agora evocamos!

Estes são os mais destacados exemplos de uma herança que obriga a todos, os que passam pelos Órgãos Sociais, a plena consciência de tamanha responsabilidade e o maior empenho na continuação da concretização e desenvolvimento de tal legado!

Nesta sessão Evocativa tivemos também a oportunidade de, na Biblioteca, onde se encontra a galeria de figuras notáveis que perduram na história da APE, proceder à inauguração das fotografias, dos recentemente contemplados com o mais alto Galardão da APE, “Membro de Honra”, o Tenente General Carlos Alberto Carvalho dos Reis e dos Novos Associados Honorários Major General António Francisco Alves Rosa e Coronel João Augusto Miranda Soares.

A finalizar homenageámos duas das mais destacadas figuras da história da nossa Associação, ambas já referidas. José Barroso Júnior, fundador da APE e David Sequerra, um dos mais importantes dirigentes e colaboradores da Associação em várias vertentes, nomeadamente no desempenho de funções dos Órgãos Sociais e como colaborador permanente no nosso Boletim.

A partir desta data ficou perpetuada a sua memória, nesta nossa casa, com a atribuição dos seus nomes às duas principais salas da nossa Associação.

X